quarta-feira, 12 de julho de 2017

Casos de Chikungunya em Parnaíba aumentam em 292%

A cada semana aumenta o número de casos notificados da febre da chikungunya em Parnaíba. O boletim epidemiológico mais recente da Secretaria Estadual da Saúde – Sesapi confirmou a notificação de 298 casos, representando um avanço de 292,1%. É possível notar o avanço significativo da doença em comparação com o mesmo período do ano passado, quando foram notificados 76 casos.

Com relação aos casos de Dengue, foram 164 casos notificados. O aumento foi 118,6% em comparação ao mesmo período do ano passado, quando foram notificados 75 casos.

Entre os bairros com o alto nível de infestação do Aedes Aegypti estão, Reis Veloso, Piauí, Frei Higino, João XXIII, Baixa do Aragão, Dirceu Arcoverde e Rodoviária.

Como ações para combater essa situação, o Governo do Piauí através da Secretaria da Saúde, realizará nesta quarta e quinta-feira (12 e 13/07), capacitação para os profissionais médicos, enfermeiros, agentes comunitários de saúde e endemias. Será trazido também para Parnaíba, o Laboratório Móvel do Ciclo Biológico do Mosquito da Dengue, que faz a demonstração do ciclo biológico do mosquito Aedes, transmissor de arboviroses como dengue, chikungunya, zika vírus e febre amarela, explicando todas as fases da vida do mosquito, realizando palestras e fazendo a distribuição de materiais educativos à população.

Além disso, no Laboratório Central de Saúde Pública do Piauí – LACEN/PI, está sendo dada prioridade aos exames dos municípios da Planície Litorânea.

De acordo com informações, os profissionais de saúde do município de Parnaíba desde o mês de março alertam a gestão para uma possível epidemia de dengue e chikungunya. Mas até agora, nenhuma reunião foi realizada para tratar do assunto. Além disso, nenhuma mobilização com os profissionais da saúde e tampouco com a população.

Agrava ainda mais a situação, postos de saúde sem médicos, e quando há médicos, faltam medicamentos. Os serviços municipais não se entendem, é uma verdadeira desorganização. A gestão da saúde praticamente sem profissionais de carreira, quase cem por cento contratados, novatos e sem experiência. 
Tudo isso, faz com que a população sobrecarregue os prontos socorros, ou tome atitude ainda pior, lotando as farmácias da cidade para se automedicar.                        
             
O que está sendo feito com os quase 40 milhões que entraram até agora na saúde, uma vez que continua faltando tudo, e até os contratados estão sofrendo atraso de salários?                       

Estima-se que pra cada caso notificado, existam de 05 a 07 casos q não procuraram os serviços de saúde, assim a realidade é bem pior do que os números oficiais mostram.

extraparnaiba